MUNDO SE PREPARANDO PARA O FIM

A CORÉIA DO NORTE NA ESCATOLOGIA BÍBLICA

     O estudo da ESCATOLOGIA bíblica não pode deixar de considerar, com grande ênfase, o profeta Daniel.  A ele foi dito por Deus que ficasse tranqüilo e repousasse até o tempo do fim, quando haveria de se levantar, para receber o seu galardão.

Até lá a profecia a ele revelada estaria selada, ou seja, sem que fosse entendida  (Dn.12:9).  A História correu.  Desde os dias do profeta Daniel até hoje, foram cerca de 2.500 anos. Muito da profecia já se cumpriu. E em nossos dias o quadro final dos acontecimentos já se delineia claramente.  Complementado por outras revelações, além do Apocalipse, nós podemos já vislumbrar os eventos finais. Vamos comentar alguns aspectos:


1)           A Rússia se aproxima rápida e decididamente dos países árabes e muçulmanos, não tendo alternativas. A Turquia já recentemente se divorciou do ocidente (EUA e Europa), desejando liderar os países muçulmanos para a “Cruzada” final contra Israel. Embora poderosa em armas, a Turquia verificará que precisará da dissuasão das armas atômicas para seus intentos. E é a Rússia quem as tem. A aproximação da Turquia com a Rússia será inevitável. A Rússia, que já está na Síria (e não pretende mais sair de lá) terá uma posição estratégica contra Israel. Dali para o cumprimento do “Gogue e Magogue” será apenas um passo (Ez. 38 e 39). A Rússia, aliada à Turquia e aos países árabes e muçulmanos, ousará atacar Israel. Eles invadirão Israel, acreditando que o Anti-Cristo (que não será amigo de Israel) titubeará, após o Arrebatamento (como os EUA hoje na Síria). A profecia se cumprirá e o mundo seguirá (na Grande Tribulação) para os desfechos finais.

2)            A Europa se aproximará dos EUA, pois que não tem muitas armas e não haverá tempo de se fortalecer. Juntos, formarão a base do Governo do Anti-Cristo. A América Latina será caudatária apenas, desempenhando um papel secundário (o Brasil junto).

3)            Do outro lado, a China, que já é gigante, se fortalecerá economicamente cada vez mais. E o mesmo em termos de armas. Atualmente a China não teria condições de enfrentar os EUA numa guerra. Mas eles se armarão rapidamente.  A China contará, como aliados, com os países que hoje apóiam os EUA, como a Coréia do Sul, Taiwan e o Japão.  Juntos, eles virão para Israel, enfrentar o Anti-Cristo. Será a batalha do Armagedon (Jl.3:2,12).

4)            Para que o quadro acima se cumpra, alguns episódios terão que acontecer. A Coréia do Sul e o Japão terão que se “divorciar” dos EUA, o que não parece mais tão distante. Com o isolamento do presidente Donald Trump, a China se aproveitará diplomaticamente para se aproximar desses países. Por fim, ficará claro para o Japão e a Coréia, que lhes será muito mais vantajoso liderar tecnologicamente os países do Oriente, tendo o mercado chinês, indiano e árabe sob seus pés, do que se “apertar” para vender seus produtos aos EUA e Europa. Quando isso ficar claro, eles descerão rapidamente do apoio aos EUA. No caso da Coréia do Sul, isso parece já estar ocorrendo. É nesse ponto que entra a Coréia do Norte nessa “Escatologia”.

5)            As Coréias estão divididas (contra a vontade do seu povo) por causa de ideologias. A Coréia do Norte é um país comunista, muito pobre e sustentado pela China, que o “usa” para seus intentos não muito “nobres”… Entre eles, por exemplo, a atividade dos hackers, que hoje são fundamentais nas guerras.

O último vírus “Wanna cry” parece ter sido desenvolvido na Coréia do Norte, sob orientação da China, atacando 150 países e 300.000 computadores em todo o mundo, entre eles os sistemas de controle de grandes corporações e de governos. Outro “uso” da Coréia do Norte pela China é justamente na área nuclear, para causar constrangimento e ameaças aos demais países. Essa é uma tarefa que a China quer fazer indiretamente. Ela sabe que a ameaça nuclear não é uma bandeira simpática aos países. E a China quer ser simpática aos seus vizinhos. Com isso, a Coréia do Norte ameaça e a China socorre, fazendo o papel de boazinha. O último governo eleito na Coréia do Sul já entendeu a situação e foi eleito para procurar a “paz” com a Coréia do Norte e não o alinhamento com os EUA. Ou seja, o “divórcio” está próximo. A Coréia do Sul tem tecnologia própria e não depende dos EUA. O Japão não demorará a seguir o exemplo. A China já vislumbra isso. E a Coréia do Norte será “usada” para isso. Caso os EUA tentem invadir a Coréia do Norte, essa situação se apressará mais rapidamente ainda. E nesse ponto, China, aliada aos seus vizinhos, já estará pronta para a guerra contra o Ocidente, liderado pelo Anti-Cristo.    Será a batalha do Armagedon.  E a volta do Senhor Jesus (Ap.19).

Por essas razões o mundo está de olho na Coréia do Norte.  E nós cristãos também.

Pr. Érico Rodolpho Bussinger – Comunidade Ramá Niterói